Sábado, 25 de Abril de 2009

Muito se tem falado e muito se vai continuar a falar do quinto canal, dividindo os argumentos entre os que são a favor e os que são contra. Mas o que me ocorre antes de mais pensar a propósito de mais um canal é a questão: o que é hoje um canal de televisão? E, sobretudo, o que vai ser em 2010 um canal de televisão.
Podemos, em relação ao futuro canal, pensar a sua definição em função do seu posicionamento face aos que já existem.
Partindo do princípio que o que faz sentido é o quinto canal ter uma programação diferenciada dos generalistas já existentes (SIC, TVI e RTP1), essa diferenciação deve ser pensada, desde logo, em função de uma audiência potencial que não se está a rever nesses canais.
Genericamente estamos a falar de uma audiência de jovens e jovens adultos A's e B's, e C's aspirantes a B's, ou seja, desde logo um universo de cerca de um milhão de pessoas, alvos de um universo vasto de anunciantes, que também não está a encontrar espaço nos canais existentes.
O problema é que esse é o público mais infiel que existe e que, cada vez mais, não se prende à programação sequencial de um canal de televisão, ou seja, não está sentado à espera que chegue a hora de determinado programa. É um público que vê "televisão" quando quer e à hora que quer, não só no próprio televisor, mas no ecrã do computador, do telemóvel ou de outros presentes e futuros gadgets.
Por causa disto, será um erro pensar num quinto canal unicamente em função de uma grelha de emissão. Hoje um canal de televisão tem de ser pensado como uma plataforma múltipla de conteúdos, com estratégias cruzadas de produção e emissão, bem como de promoção e activação de eventos. Reduzir isso a grelhas é pensar no que foi a televisão e não no que vai ser.
Mas o pior de tudo ainda vai ser ver um quinto canal igual aos outros três: um canal de futebol, novelas e concursos, unicamente preocupado com o share do dia e a luta, a qualquer preço, pelas cada vez mais escassas audiências. Ou seja, mais uma oportunidade perdida para a renovação do paupérrimo panorama audiovisual português.

 

(Crónica publicada dia 29 de Novembro de 2009 no Semanário Económico).

 



Nuno Artur Silva às 05:00 | link do post

Bio Notas biográficas Currículos Fotos Links Acerca E-mail Work Livros Peças Episódios Artigos Ideias Notas Média Rádio English